It’s On Pipeline

de Carol Marques

A poucos minutos do início da primeira etapa do WCT 2022, já temos um evento histórico com o primeiro CT feminino sendo 100% realizado junto com o masculino nos tubos de Banzai Pipeline.

O Havaí já é histórico por ser berço do esporte e por consagrar inúmeros surfistas como Eddie Aikau e Duke Kahanamoku. Como forma de contar um pouco mais sobre a história de cada pico do Dream Tour, o It’s On desse ano vai relembrar os maiores vencedores de cada etapa.  

Kelly Slater 

A exatos 30 anos, Kelly Slater vencia o seu primeiro Pipe Masters. O onze vezes campeão mundial levantou o caneco em Pipeline por sete vezes, nos anos de 1992,1994, 1995, 1996, 1999, 2008 e 2013 e foi responsável por inúmeras baterias históricas no local. Para a curiosidade de muitos, somente em 2013 que Kelly conseguiu levar a etapa sem se sagrar campeão mundial.  

 

Kelly Slater campeão do Billabong Pipe Masters, 2013 Foto: WSL/Kelly Cestari

Andy Irons 

Andy é sinônimo de preparação e jovialidade quando o assunto é Pipeline. Desde muito novo ele aperfeiçoou toda sua técnica em uma das ondas mais temidas do mundo surfe e o resultado não poderia ser outro; com apenas 17 anos ele foi responsável por eliminar o lendário Derek Ho. Lembrando que Andy venceu a etapa com maestria em 2002, 2003, 2005 e 2006.

 

Andy Irons durante o Billabong Pipeline Masters, 2008. Foto: WSL/Sean Rowland

Tom Carroll 

Dono de umas das performances mais invejáveis da história dessa etapa, Tom influenciou inúmeros surfistas conhecidos nos anos 80 como “The Goofy Revolution”. O surfista conseguiu levantar o caneco em 1987, 1990 e 1991 vencendo seu maior oponente em Pipeline, o primeiro havaiano campeão mundial, Derek Ho.

 

Tom Carroll, 2010 Foto: WSL/Kirstin Scholtz

 

Tyler Wright 

Iniciado em Honolua Bay, na ilha de Maui, e encerrado em Pipeline por conta de um acidente envolvendo um tubarão em 2020, foi a primeira vez na história em que as mulheres decidiram um título de surf no local. Tyler foi a campeã derrotando a quatro vezes campeã mundial Carissa Moore.  

Sobre o pico 

O Havaí é um arquipélago polinésio formado por 8 ilhas principais, no meio do Oceano Pacífico. Dentre essas ilhas, Oahu é famosa por abrigar o tão sonhado North Shore.  

Então, pra você que quer entender mais sobre as ondas e não ficar perdido durante as transmissões do Billabong Pro Pipeline, segue a descrição do pico: 

  • Pipeline ou First Reef: quebra da esquerda para a direita e bem perto da praia; 
  • Backdoor: as ondas quebram pro lado oposto a Pipeline; 
  • Second Reef: quebram mais perto do alto mar, com paredes mais longas; 
  • Third Reef: sua formação só acontece quando a ondulação atinge o tamanho máximo, podendo chegar até 6 metros. 

 

Kelly Slater em Backdoor, 2013 Foto: WSL/Kelly Cestari

Acompanhe as melhores condições para Pipeline AQUI.  

 

Meio Ambiente 

A ilha não é só referência no mundo do surfe, mas também na conservação dos recifes de coral. Em 2021 entrou em vigor a proibição de protetores solares nocivos à saúde dos corais. 

Como forma de proteger e conscientizar os locais, alguns dispensers com protetores minerais foram distribuídos por Waialea Bay, já que esta possui uma extensa cobertura de corais impactados por eventos de branqueamento nos últimos anos. 

Essa marca, quem vos escreve, também em defesa aos recifes de coral, criou em parceria com o Projeto ReefBank lycras para apoiar as atividades de pesquisa e conservação dos corais brasileiros. No nosso feed explicamos sobre a importância dos recifes de coral, como os protetores solares os afetam e muito mais.  

Samuel Igo para Lord e ReefBank Foto: Luciano Ribeiro

Saiba mais sobre a collab

 

Curiosidades sobre Pipeline 

  • Adriano de Souza foi o primeiro brasileiro a levantar o caneco de campeão do Pipe Masters, o feito inédito aconteceu no ano de 2015, mesmo ano que o surfista se consagrou campeão mundial; 

 

  • Em 1963 as ondas de Pipeline ganharam fama mundial com o filme “Surfing Hollow Days” e não parou por aí… Em 2010 foram ovacionadas com a série “Hawaii Five-0”; 

 

  • Pipeline ficou marcado na história de Andy, Bruce Irons e seus fãs. O período entre 2001 e 2006 ficou conhecido como “Iron Age”, já que os irmãos levaram as etapas de 2001, 2002, 2003, 2005 e 2006. 

 

  • Em 2020, John John Florence trouxe o caneco da etapa novamente para o Havaí. Desde 2006, com a vitória de Andy Irons, um havaiano não vencia a etapa. 

Adriano de Souza campeão, 2015 Foto: WSL/Laurent Masurel

 

Emoção não vai faltar para o WCT 2022, já que após 24 anos teremos as esquerdas de G-Land de volta ao calendário, além do número recorde de 16 novos surfistas nesse novo formato.

Fantasy pronto e “Go, Brazilian Storm!” 

 

 

 

Você pode gostar

Deixar um comentário